Pesquisar
Close this search box.

Varíola dos macacos exige, desde já, urgência da vacina contra preconceito

Picture of Rodrigo Hilario
Rodrigo Hilario

No caso do surto atual da varíola dos macacos (monkeypox), cuja explosão obrigou a Organização Mundial da Saúde a decretar estado de emergência pública de preocupação global no sábado 23, a medicina tem certeza sobre o que a provoca, um vírus da mesma família do responsável pela varíola humana. Contudo, ainda tenta definir quais os indivíduos vulneráveis e por quê.

Nesse primeiro momento, o que está claro é que a enfermidade se espalha preponderantemente entre homens que fazem sexo com outros homens, como demonstrou o mais extenso levantamento feito até agora, publicado há duas semanas no periódico científico The New England Journal of Medicine. De acordo com o relatório, 98% de 528 infectados em dezesseis países eram homossexuais masculinos ou bissexuais.

Nada mais insidioso, no entanto, do que inferir, a partir daí, se tratar de um mal restrito a esse grupo. Não é. Entre os cerca de 19 000 casos contabilizados de maio até a terça-feira 26, há registros de contaminações de mulheres, homens que não mantêm relações sexuais com pessoas do mesmo gênero e crianças.

É fundamental que o entendimento do que realmente ocorre seja absorvido pela sociedade. O que se quer é evitar o surgimento de um estigma sobre a doença, como o que aconteceu há 41 anos, quando começaram a aparecer os primeiros casos de aids. Na ocasião, o HIV, vírus causador da síndrome, incidia exclusivamente em homens homossexuais. Nos anos seguintes, embora a enfermidade avançasse em outras populações, o preconceito atrasou brutalmente a prevenção entre os novos grupos expostos.

A virologista Clarissa Damaso, da UFRJ, alerta para os perigos do estigma e da discriminação em relação à monkeypox: “ela pode ser tão virulenta quanto o vírus. Afasta os pacientes, atrapalha a detecção de contactantes e impede que os mais afetados sejam alertados.”

Leia o texto completo aqui.